Quem Somos

Início   /   Quem Somos

O Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (IHGRGS) é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada a 05 de agosto de 1920 por Octavio Augusto de Faria, capitão Manoel Joaquim de Faria Corrêa, tenente Emílio Fernandes de Souza Docca, Afonso Aurélio Porto e o Pe. João Batista Hafkemeyer, juntamente com o Desembargador Florêncio de Abreu e o apoio decisivo do Governador Borges de Medeiros.

Octavio de Faria

Manoel Joaquim de Faria Corrêa


Souza Docca

Aurélio Porto


Padre Hafkemeyer

Florêncio de Abreu


Borges de Medeiros

O IHGRGS tem por finalidade promover estudos e investigações sobre História, Geografia, Arqueologia, Filologia, Antropologia e campos correlatos de conhecimento, principalmente centrados no Rio Grande do Sul. Preserva a memória rio-grandense através de fundos documentais e acervos bibliográficos que servem, também, para embasar as investigações e a construção de massa crítica sobre seu objeto de trabalho.

Sede do IHGRGS.

A sede é parte do patrimônio recebido do governo do Estado em 1948 e foi inaugurada em 25 de março de 1972. Sua construção e instalação teve como principal artífice Mário Calvet Fagundes. O edifício conta com três andares. A Sala de Pesquisa e a Biblioteca Tomás Carlos Duarte situam-se no 1º andar; a Sala dos Arquivos, a Biblioteca geral e a Mapoteca, no 2º andar e o Auditório para 150 pessoas ocupa o 3º andar.

Revista IHGRGS nº158 - 2020

Revista número 158 ano 2020.

Desde seus primórdios, o IHGRGS publicou sua Revista, ininterruptamente entre 1921 a 1950. Após essa data, sofreu uma interrupção de 25 anos, tendo recomeçado a circular em 1975 com o número 121.

O IHGRGS realizou quatro Congressos de História e Geografia, de âmbito nacional, em 1935, 1937, 1940 e 1945, ao qual concorreram estudiosos dos campos de conhecimento de história, geografia e ciências humanas e sociais e representantes de instituições culturais e universitárias do país e do extrangeiro. O tema do I Congresso foi o centenário da Revolução Farroupilha; o do II Congresso, o segundo centenário da fundação do Rio Grande; o do III Congresso, a fundação de Porto Alegre e o do IV Congresso, o centenário da Paz de Poncho Verde. Os trabalhos desenvolvidos nos congressos, as teses e as comunicações apresentadas foram publicadas em Anais.

A primeira diretoria

A diretoria do IHGRGS é eleita a cada dois anos, podendo ser reeleita. A primeira diretoria foi composta por:

Presidente – Florêncio Carlos de Abreu e Silva
Vice-Presidente – Delfino Riet
1º Secretário – Francisco de Leonardo Truda
2º Secretário – Eduardo Duarte
Orador – E. F. de Souza Docca
Tesoureiro – Amaro Baptista
Bibliotecário – Armando Dias de Azevedo

Foram presidentes do IHGRGS: Florêncio de Abreu; Francisco Rodolfo Simch; Leonardo Macedônia; Othelo Rosa; Manoel Duarte; Adroaldo Mesquita da Costa; Eduardo Duarte; Moysés Vellinho; Guilhermino César; Laudelino de Medeiros; Sérgio da Costa Franco; Luiz Alberto Cibills; e Gervásio Rodrigo Neves.

Adroaldo Mesquita da Costa

Guilhermino César

Diretoria Atual

No dia 05 de agosto de 2018, tomou posse a nova diretoria do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul.


BIÊNIO 05/08/2018 A 05/08/2020

Miguel Frederico do Espírito Santo

Presidente


Hilda Agnes Hubner Flores

Diretora Administrativa e Financeira


Euclides Pinto Torres

Diretor Operacional


Conselho Fiscal

José Carlos Teixeira Giorgis
Juvêncio Saldanha Lemos
Moacyr Flores


* O mandato da Diretoria e do Conselho Fiscal foi prorrogado até novembro de 2020, por decisão unânime dos membros, em razão da pandemia do COVID-19.

Categorias de membros

O Instituto é constituído por seis categorias de membros: Efetivos (até 50), Correspondentes (até 50), Honorários, Beneméritos, Pesquisadores e Colaboradores.

Os confrades que por relevantes serviços prestados ao IHGRGS e por ações concretas realizadas em prol da cultura rio-grandense foram distinguidos como membros beneméritos são Getúlio Vargas, Mem de Sá, Edgar Luiz Schneider, Guilhermino Cesar, Ildo Meneghetti, João Maria Balem, Thomaz Carlos Duarte, Walter Perachi Barcelos e Walter Jobim.

Pelas mesmas razões foram distinguidos como membros honorários: Antônio Augusto Borges de Medeiros, Florêncio Carlos de Abreu e Silva, Joaquim Francisco de Assis Brasil, Leonardo Macedônia Franco e Souza, Manuel Theóphilo Barreto Vianna, Protásio Antônio Alves e mais recentemente Paulo Brossard, Luis Alberto Cibils, Altino Berthier Brasil, Francisco Pereira Rodrigues, Earle Diniz Macarthy Moreira, Raphael Copstein, Sérgio da Costa Franco.

Em atenção à sua liderança institucional e às conquistas proporcionadas, o confrade Adroaldo Mesquita da Costa foi, por seus pares, distinguido como presidente perpétuo do IHGRGS.

Tradição legada

Cansansão de Sinimbu

O IHGRGS é legatário de uma tradição que começa em 1853, com João Lins Cansansão de Sinimbu, então Presidente da Província. Sinimbu criou o Instituto Histórico da Província de São Pedro, no próprio Palácio do Governo, sendo ele o Presidente e o barão (futuro conde) de Porto Alegre, vice. Com o retorno de Sinimbu para a Corte, os membros do Instituto não mais se reuniram, ficando inerte e extinguindo-se no ato de fundação do IHGPSP, em 1860.

Diploma de Antonio Dias da Costa membro do IHG da Província de S.Pedro, de 26 de fevereiro de 1860 e assinado pelo Barão de Porto Alegre.

Barão de Porto Alegre

Em 1860 o barão de Porto Alegre retoma a ideia, refundando o Instituto Histórico e Geográfico da Província de São Pedro (IHGPSP), nas pautas do programa liberal progressista, que contava com comissários nas cidades e vilas mais importantes da Província. A pretensão de constituir um congênere do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro teve curta duração.

A mobilização para a Guerra da Tríplice Aliança (1864), a própria Guerra e o surto de cólera morbus que assolou Porto Alegre em 1865/1866 impediram a continuidade dos trabalhos do IHGPSP. Deixou o testemunho de sua passagem nos números da Revista que publicou. Após o término da Guerra do Paraguai houve tentativas para retomar os trabalhos do IHGPSP, porém, o quadro político, econômico e social da Província era outro. A proposta liberal progressista se esvaziara, o Partido Liberal histórico e o Partido Conservador estavam consolidados como as duas forças políticas majoritárias e já não era possível admitir uma instituição cultural, como o Instituto Histórico e Geográfico, vinculada ao designios de um partido político.

Diploma de Armando Dias de Azevedo (neto de Antonio Dias da Costa), membro do IHGRS, de 19 de abril de 1923 e assinado pelo Des. Florencio de Abreu.